Snowden na McGill & Escândalo da Polícia do QC Monitorando Jornalistas

Ontem, Eduard Snowden participou de uma videoconferência pública na McGill.

 A organização substimou o interesse do público no palestrante, o que gerou vários problemas organizacionais, além de uma tremenda injustiça para com aqueles que chegaram muito cedo para conseguir lugar na sala de capacidade de pouco mais de 600 pessoas. Piquete de funcionários em greve no campus adicionou mais estresse onde já sobrava.

Felizmente, a organização conseguiu fazer uma mudança contratual de última hora e obteve a permissão para que o evento fosse não apenas gravado, mas também transmitido ao vivo pela internet, e dessa forma outras salas puderam ser preparadas as pressas para aumentar a capacidade de acolher pessoas que estavam do lado de fora tentando assistir.

E sobre os incovenientes que geraram impaciência e atrasos, Snowden logo de início foi muito gentil e apoiou os grevistas, dizendo que o que eles estavam fazendo era importante e um dos pilares da democracia que tanto queremos preservar. O porque dele acreditar nisso só ficou claro no final da palestra. Disse que com paciência muita coisa pode ser conquistada.

Nos EUA, Snowden pode ser tratado por muitos como traidor, mas em sua apresentação ontem, ficou claro que para tantos outros, ele é um herói. A ovação que recebeu ao aparecer pela primeira vez no vídeo foi emocionante. Não mais emocionante que a ovação que ele recebeu ao final da incrível apresentação, quando agradeceu e se despediu da platéia esperando que no próximo ano ele possa reencontrar essa platéia pessoalmente. <3

Essa conferência estava agendada desde agosto, mas o momento em que ela aconteceu não poderia ser mais adequado:  Essa semana, a imprensa quebéca foi sacudida e estupefou-se ao descobrir que Patrick Lagacé, um conhecido repórter apresentador de TV, foi espionado pela polícia de Montreal com o intuito de descobrir suas fontes e seus movimentos.
A polícia tratou o episódio como exceção e não regra, o que não convenceu ninguém de que isso é correto, seja 1 caso ou 1000. A imprensa insiste que há de se proteger a liberdade de imprensa (e eu acrescento que não deve ser privilégio da imprensa, também é direito de todo cidadão que prefira ter sua privacidade respeitada!), principalmente levando-se em consideração que Patrice Lagacé não era acusado e nem mesmo investigado. O próprio Snowden twittou para Lagacé no início da semana que se Lagacé é jornalista, não deve se surpreender com polícia espionando jornalista para rastrear suas fontes: é a realidade atual.

De ontem pra hoje, a bola de neve só aumentou: descobriu-se que outros jornalistas vêm sendo espionados desde 2007 e no caso deles não foi pela polícia de Montréal mas sim pela polícia da província (SQ). Demorou, mas finalmente o Primeiro Ministro Justin Trudeau declarou agora há pouco que no nível federal essa espionagem não está acontecendo (ele disse, mas a essa altura, quase ninguém acredita nisso). E cabeças já começaram a rolar: hoje, um deputado provincial, que também é porta-voz do partido da oposição, pediu afastamento do cargo. É que em 2007, quando a SQ começou a espionar os jornalistas em questão, esse deputado era o Ministro da Segurança Pública. Agora ele ficará afastado das funções até que o episódio seja esclarecido.

Algo semelhante aconteceu no Brasil há algumas semanas com um reporter da Época, mas não vi a imprensa reagir com a mesma força que a imprensa daqui, somente a propria Época ficou furiosa. Os outros veiculos em geral soltaram uma nota e passaram a outra coisa.
A imprensa aqui está ensandecida e aparentemente os veículos estão unidos, o episódio foi deveras ultrajante.

 Todo esse burburinho coincidindo com conferência do Snowden, fez com que o assunto tenha sido amplamente abordado ontem. Mas Snowden explica que o perigo é que atualmente somos todos vítimas de vigilânica maciça e que o maior perigo para nossa democracia, nosso maior erro, é achar que “não temos nada a esconder”. Segundo suas palavras, não se trata de esconder algo ou não, trata-se de ter direito a ser quem é.

Snowden chama atenção para o fato de que as leis que protegem a privacidade estão sendo desrespeitadas pelos governos, ou “contornadas” com subterfugios legais e assim que têm oportunidade, esses mesmos governos mudam as leis para terem poder irrestrito sobre cidadãos através do monitoramento massivo.
Embora governos aprovem essas leis enganando a população, dizendo que tais leis são necessarias para protegê-la (de terrorismo…), na verdade isso tudo não é por razões de terrorismo.
A razão é: poder (leia-se totalitarismo!)

Enfim, deixo aqui algumas das frases mais inspirantes do Snowden durante a conferência, acho que vale no mínimo a reflexão :

“Privacy is not about something to hide, privacy is about something to protect  – it’s about protecting your rights”

“Privacy is the right to the self, privacy is the right to be you”

“Privacy is the fountainhead of all other rights”

“Privacy is the ability to have something to yourself, whether is a home, whether is car, whether is a pencil…whether is an idea, whether is a belief”

“Your generation will decide that kind of world we live and I’m looking forward to seeing what you decide”

this is an exemple of how, if we have a little patience, if we do with a little of incovenience, we can make things happen”

“Surveillance technology have outpaced democratic controls”

“Surveillance used to be too expensive to use much, now, one guy at the NSA can track with extreme precision a large number of people”

“It’s become technologically and financially feasible to track people”

“The only thing that will ensure they play fairly is the threat of criminal sanctions, they need to be held accountable”.

“The law has been failing as guarantor of our rights”

“Because government can get around law when it wants”

“And that is not just a risk: that is the fundamental danger to the stability of any open and liberal society”

“Suddenly we have settled rules for all of you in the audience…but what about if the police break the law?”

“what if torture were effective…what if slavery were a wonderful economic program? I wouldn’t make it right!”

Comentando sobre o caso Lagacé: “We have new stories about it, but we have no idea what the government is doing for real”… “We still don’t know under which legal authority it occurred”

“You can’t rely on others to do things we must do ourselves. If you want a better country, you’re going to build it yourself”

“We are at crossroads between a dark or bright future… your generation who’s gonna make the decision”

“our ability to resist powerful institutions, be they corporates, be they governamental, has never been less than it is today”

E essa resposta, quando quiseram saber sobre o que ele acha que acontecera com ele, que esta na lista de “procurados” dos EUA:
“I am the least important part of this story, and if you think about…me, what’s happening to me, what my future looks like, you’re missing the larger question, which is: what happens to ALL OF US?” (desprendimento <3)

“right now, we are living lives of unparalleled vulnerability to power”

“when you have one side that has the largest surveillance machine that has ever been completed …in global basis, in history of the humanity and they have the exclusive use of it, and we, on the other hand, have smartphone saying everywhere we go, all the time, all the purchases we made…we have to think what that means. It means: we are creating permanent records of our daily activities, they could use it for purposes that we will never know and (we) have no say in”

“we have an obligation and we have the right to change the game”

“When someone says ‘I don’t care because I have nothing to hide’, ‘I don’t care about free speech because I have nothing to say’…is not about “you” is about everyone, is about all of us, is about potential, is about possibility, is about he foundation of everything that we believe in and so many have fought and died for. And if you are not willing to stand up for your own right TO BE YOU, what do you care?” … “All that you’re saying is ‘I’m willing to let everyone else decide everything that affects my life. I’m willing to let people decide MY future, because I don’t have any ideas on my own”

E a melhor: “ How do we maintain a free society in the context of an unlimited government?”

Aqui um link do video completo. A conferência mesmo começa em 1.15 min:

https://www.youtube.com/watch?v=4x8ZI0IaInE&app=desktop

Algumas reportagens sobre os assuntos abordados neste post:

http://montrealgazette.com/news/local-news/whistleblower-edward-snowden-speaks-at-mcgill-university-wednesday
http://www.cbc.ca/news/canada/montreal/phone-surveillance-patrick-lagace-1.3833631
http://www.cbc.ca/news/canada/montreal/edward-snowden-mcgill-university-1.3832474
http://www.cbc.ca/news/canada/montreal/montreal-police-patrick-lagace-1.3832412
http://www.cbc.ca/news/canada/montreal/stephane-bergeron-quebec-police-journalist-spying-1.3834286
http://ici.radio-canada.ca/nouvelles/societe/2016/11/02/002-surveillance-journalistes-sq-marie-maude-denis-isabelle-richer-alain-gravel-radio-canada.shtml
http://ici.radio-canada.ca/regions/montreal/2016/11/02/003-la-presse-mise-en-demeure-spvm-justice-surveillance-patrick-lagace.shtml

espionagem-data-center

Foto: AP/Alan Brandt


Abraços
Lapin-Mère
03.11.2016

2 comentários sobre “Snowden na McGill & Escândalo da Polícia do QC Monitorando Jornalistas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *